VOCÊ SE ACEITA?

Não mudamos o mundo porque não damos conta de nos assumir no pior do outro que – também – somos.

Só retiraremos Jair Bolsonaro e Donald Trump do poder no dia em que nos sentirmos incomodados com o fato de que somos tão horríveis quanto eles.

Só mudaremos o mundo no dia em que nos assumirmos que – em certa medida – está acontecendo conosco o mesmo que está acontecendo com quem vive em situação de rua, com as mulheres que são violentadas e com os LGBTs que são assassinados.

Estamos todos em um processo de degeneração. Querer eliminar o pior, é querer eliminar o pior em nós mesmos. Quanto melhor o mundo estiver, menos me vejo em meu pior – a não ser que eu seja masoquista.

Não nos assumimos naquele que é violento porque não queremos nos ver na violência a que estamos submetidos pela nossa natureza.

Não deveríamos permitir que nenhuma pulsão de morte domine o mundo.

É por covardia que não execramos o pior do mundo. Parece que gostamos do pior que somos.

Infelizmente, nossa covardia não nos permite nos ver nesse pior do outro que somos ou que seremos. Se nos víssemos, faríamos de tudo para que ele deixasse de ser que é.

Evaristo Magalhães – Psicanalista

COMO DAR UM SENTIDO PARA A VIDA?

Por que escrevemos romances, poesias, músicas, montamos peças de teatro, filmes, pintamos quadros, criamos sindicatos, redes sociais, igrejas, organizamos festas e viagens? Para tentarmos dar um sentido para a realidade.

E o que é a realidade? A realidade é dura. É na realidade que podemos perder o emprego, não ter o que comer, não ter o que vestir e nem como cuidar da saúde. É na realidade que envelhecemos e morremos. É para sobreviver, reinventar, burlar ou retardar a realidade, que nos foi dada a arte, a religião, o conhecimento e o lazer.

Então, por que muitos artistas, cientistas, filósofos e religiosos adoecem? Eles adoecem quando querem engolir toda a realidade ou quando são impedidos de continuarem reinventando sobre isso que é infinito.

Adoecemos quando achamos que sabemos tudo. Isso não é saber e, sim, loucura, delírio ou alucinação.

Há algo da realidade que nada toca. Se Deus é a verdade, qual é a verdade de Deus?

Não deveríamos oscilar entre a arrogância da fé e a depressão de achar que a vida não possui qualquer sentido.

É preciso manter vivo esse núcleo indecifrável de existir, deixando-o em aberto para que cada um se reinvente como quiser sobre ele.

Evaristo Magalhães – Psicanalista