A MELHOR COISA DA VIDA É SOFRER POR AMOR

 

Quantos não sofrem por amor? Isso é ruim? Para a maioria é o que há de mais desesperador. Quantos não se matam por isso? Não deveria ser assim!

Suportar a perda de um grande amor é a maior prova de amadurecimento que existe. Quem dá conta de um adeus amoroso é porque aprendeu a lidar com a única certeza que temos na vida: perderemos tudo e terminaremos a sós.

Não é masoquismo sofrer por amor. Nunca estamos tão próximos da verdade da vida quando perdemos alguém.

A felicidade no amor é a maior mentira da vida. A vida não nos ama. Não adoeceríamos, não envelheceríamos e não morreríamos se a vida realmente nos amasse.

A vida não quer que nos iludamos com o ter e com o ser. Não deveríamos cobrir nossos mortos de flores. Não deveríamos nos entupir de antidepressivos porque estamos angustiados. Experimentar, encarar e carregar a angústia é a atitude mais revolucionária que se possa ter.

Ninguém está tão perto da verdade quando está diante de uma perda.

É pura covardia querer decifrar os enigmas de existir. É pura covardia querer superar o vazio que ficou. Perder – também – não deveria ser sinônimo de sofrer. Perder deveria ser visto como a experiência mais normal da vida – uma vez que perder é a única possibilidade que temos de ir de encontro ao que somos de mais verdadeiro!

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento online: WhatsApp 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanslista

O QUE É VIVER DE VERDADE?

Não seremos expulsos do mundo quando morrermos. Fomos expulsos do mundo logo que aprendemos a falar.

Passamos quase a vida toda muito mais fora que dentro do mundo.

As palavras não são coisas: que relação existe entre seu nome e você? Nenhuma. A palavra maçã nada diz da fruta maçã.

Sofremos porque queremos colar as palavras nas coisas. Seria ótimo se apenas trocar juras de amor fosse suficiente para grudar o amor entre os amantes.

Criamos um mundo à parte quando falamos. É por isso que a verdade não está em usufruir da vida guiado pelas palavras. A verdade está depois de todo blá-blá-blá: a verdade é o sentir.

Por que não nos permitimos sentir? Porque vivemos de pensar e de julgar o que sentimos. Daí, represamos o que sentimos com culpas e recalques.

Represar quer dizer destruir? Não. Jamais eliminaremos nossos sentimentos exatamente porque as palavras não têm esse poder. Melhor, porque sentir é outra coisa diferente de pensar e de falar.

A palavra nos desintegra do mundo e dos sentimentos. O sentir, o olhar, o tocar e o paladar nos trazem de volta para conhecermos e experimentarmos a vida em toda a sua inteireza.

Só experimentaremos – de fato- quando nós dispormos a fazer o caminho inverso: não do mundo para as palavras, mas das palavras para o mundo.

Isso – sim – é o que podemos chamar de epifania!

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento online: WhatsApp 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

QUEM É VOCÊ ANTES DE VOCÊ?

A felicidade não é você ser compreendido pelos outros. A felicidade não está de você para alguém.

Não é para frente que encontramos o caminho. A saída não é de mim para o outro e nem de mim para mim. A saída está de mim para antes de mim.

O que está antes mim? Nenhuma religião, filosofia ou ciência pode me dizer. Esse saber é o mais genuinamente meu.

Quem só dá conta de olhar para depois de si é porque necessita de um subterfúgio para esconder o que está antes de si.

Só sabemos de nós do zero para um. Não sabemos de nós do zero para antes do zero.

Há um avesso. Todo mundo tem um antes.

A felicidade não é ignorar a anterioridade de si. A felicidade é levar o antes de si para depois de si. Não podemos querer que outro saiba de quem somos sem que saibamos primeiro acerca de nós mesmos.

Como é possível seguir sem que se saiba de onde tudo começou? Como podemos ser compreendidos se não nos compreendemos? Como podemos querer uma felicidade entremeada de enigmas, angústias e ansiedades?

Seguir, sim, mas só depois de resolver quem se é. Só assim será possível dar seguimento – e com alguma leveza!

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento online: WhatsApp 31 996171882
Instagram:@evaristo _psicanalista

NINGUÉM É HOMOSSEXUAL …

No amor, ninguém é homossexual porque ninguém é igual.                                                       Não faz sentido igualar pela anatomia. Somos muito mais que um corpo.                                   Estar com corpos, é fácil! Quero ver é estar com pessoas. Tocar, beijar e transar, é fácil! Quero ver é dar conta das neuroses que o outro inventa para lidar com o que em si é sem solução.                                                                Sempre buscamos por um igual. É por isso que, em geral, as relações desandam. Em nossa cultura, igualdade é felicidade e diferença é dor. Ocorre que a dor é inevitável.                       Não é o outro-diferente que não suportamos. Não suportamos é a diferença do outro que é nossa. Não suportamos é o espelho que o outro faz de quem somos.                                                  Não importa se é homem com homem, mulher com mulher ou homem com mulher. O físico é o de menos.                                                               Somos todos perda, independente do gênero. Ninguém sabe ou pode tudo. A questão é o modo singular como essa perda bate em cada um: não existe solução para ela. O desafio é como a enfrentamos no outro.                    Ninguém quer sofrer: essa é a grande diferença!   A homossexualidade é ser capaz de suportar a própria dor de viver na dor de existir do outro. A homossexualidade é mais profunda. Nisso, o que menos importa é se é homem com homem, mulher com mulher ou homem com mulher.     A igualdade deveria se dar não pelas semelhanças físicas, mas na dor de existir de cada um!                                                                         O amor é outra coisa muito diferente da biologia!
Evaristo Magalhães – Psicanalista       Atendimento online: WhatsApp 31 996171882 Instagram:@evaristo _psicanalista

O QUE É A PSICOPATIA?

Quando crianças, ao agirmos de modo agressivo, somos chamados a atenção por nossos pais ou por algum adulto próximo.

Na falta de um “não”, seguimos fazendo, e quanto menos “nãos”, mais avançamos em direção à delinquência.

É assim que nasce um sociopata.

Na política, a condescendência, a vista grossa, a troca de favores e a impunidade, funcionam como máquinas para a criação de sociopatas.

Não podemos permitir que quem quer que seja se sinta como se não existisse mais ninguém depois de si.

Não pode existir nenhum outro sem Outro.

Historicamente, já tivemos sociopatas que conseguiram dominar e converter multidões ao seu delírio- e sabemos dos estragos que deram essa loucura coletiva.

Ninguém suporta viver sob a égide de alguém que acha que pode tudo.

Frente a um psicopata, desenvolvemos o que há demais insuportável em nossa psiquê: delírios de perseguição, paranóias e medos.

Quando ficamos adultos, nosso grande Outro deixa de ser nossos pais e passamos a seguir as leis e as instituições. Estamos perdidos quando esse nosso novo-grande-Outro se permite dominar por um outro que chega dizendo ser um Messias.

Qualquer religião quando misturada com política, inevitavelmente, vira uma espécie de psicopatia.

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Atendimento online: WhatsApp 31 996171882

Instagram:@evaristo_psicanalista

NÃO QUEIRA UM GRANDE AMOR …

Por que esperamos encontrar o maior dos amores? Por que queremos o emprego dos sonhos? Por que queremos a melhor casa, o carro do ano e o mais recente aparelho celular? Por que queremos viajar o mundo?

Tudo isso não é só por status. Não podemos nos eximir de nossos desejos.

Queremos amores, dinheiro e viagens porque acreditamos que algo de fora pode suprimir o que somos por dentro. Ou seja, iludimo-nos de que somos menores que o mundo. Não somos!

Somos infinitamente maiores que tudo. Não existe objeto capaz de tamponar nosso buraco existencial. Toda compulsão é um tipo de paranoia mórbida de que se pode obter quem se é através das riquezas do mundo.

Todo mundo – em algum momento da vida – se dará conta do quanto se iludiu ao buscar a felicidade nas materialidades.

A depressão não é nada mais que a decepção de querer ser completo com as coisas do mundo.

Não adianta querer ter para suprimir quem se é. Não é saber para vencer o não-saber. Não é ter para eliminar o não-ter. É saber com o não-saber. É ter com o não-ter.

Não é a falta que vem antes da conquista. A falta vem antes, durante e fica depois da conquista. Não existe vitória sobre a derrota. É tudo junto: vitória e derrota.

Nossas verdades não nos largam por nada! Somos insuperáveis!

A felicidade é a humildade!

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Atendimento online: WhatsApp (31) 996171882

Instagram:@evaristo_psicanalista