POR QUE NÃO CONEÇAMOS PELO QUE NÃO SOMOS?

Sofremos porque separamos tudo. Não é a vida e depois a morte. Não é o silêncio e depois o som. Não é o escuro e depois o claro.

Não é uma coisa e outra. É tudo dentro de uma mesma coisa – e sem lacunas. São duas palavras opostas dentro de uma mesma palavra – e sem diferenciação.

Infelizmente, não temos uma palavra que traga o contraditório sem tomá-lo como contraditório. Ou seja, não temos uma palavra que tome os antagonismos como parte de uma mesma célula.

Se observarmos atentamente veremos que todo amor é, em alguma medida, ódio e que toda generosidade é, também, egoísmo.

Tudo é uma coisa só: vida/morte, som/silêncio e claro/escuro.

A questão é como acessar esse mórbido, estranho e escuro. Nada sabemos disso.

Tudo traz o seu inacessível – e isso nos perturba exatamente porque achamos que o que acessamos basta para explicar o que existe. Não basta!

Não preciso que ninguém me contradiga: carrego em mim minha própria contradição. Crio o que me opõe no exato instante em que me coloco.

O que não sou não está fora de mim. Não preciso de um agente externo para me destruir. Trago a minha própria destruição.

O que falta não pode ser preenchido. O que falta é impossível. Somos esse impossível. Em tudo o trazemos.

Acabaríamos com toda a arrogância do mundo se enxergássemos tudo a partir do impossível de tudo.

COMECE SEMPRE PELO SEU PIOR …

Deveríamos enxergar tudo sempre pelo ponto de vista de onde tudo falha.

O meu ponto de vista não deveria ser a ideia que possuo das pessoas, do amor e da sociedade. Não somos só ideia. Somos – também – o que nenhuma ideia cabe.

Os amantes não brigariam se dessem conta de que não existe o amor que tanto almejam.

Os partidos políticos não caminhariam para o autoritarismo se partissem do fato de que é impossível colocar em prática o modelo de sociedade que tanto almejam.

Em tudo há um vácuo, um vazio e um abismo.

Infelizmente, aprendemos que podemos conquistar o amor e a sociedade que sonhamos. Não podemos! É por isso que nos tornamos arrogantes e agressivos.

Precisamos do amor? Sim. Precisamos de um mundo melhor? Sim. No entanto, as gerações anteriores se equivocaram ao nos iludir de que esse amor e esse mundo é possível.

Ninguém nos disse que o amor paradisíaco não existe e que a revolução perfeita é um só um sonho.

Seguramente, não ficaríamos revoltados se partíssemos do ponto de onde tudo se equivoca. Seríamos muito mais equilibrados se entendêssemos que o amor e a militância possuem – ao menos – dois lados: um bonito e outro feio.

Não ficaríamos agressivos se na hora de amar e de lutar por um mundo mais justo, mantivéssemos – ao menos – um pé bem firme do lado feio do amor e da política.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

O AMOR É A NOSSA MAIOR LIVERDADE …

Não adianta escolher só pelo físico, pela conta bancária ou pelo intelecto.

Há uma falta no outro que nenhuma estética, nenhum dinheiro ou inteligência cobre.

Podemos fazer todas as plásticas do planeta, ganhar todo o dinheiro e ter todos os diplomas do mundo. No entanto, nada disso impedirá quem amamos de nos trocar por quem quer que seja.

O amor é essa falta que podemos ser tudo o que quisermos que jamais conseguiremos suprimí-la em quem amamos.

Não é a beleza, a grana e o conhecimento. Com qualquer pessoa que nos envolvermos, nunca estaremos cem por cento seguros do amor dela por nós.

Há uma lacuna entre a nossa aparência e o amor do outro. É essa lacuna que mesmo todo o dinheiro e toda a sabedoria não consegue tamponar. É essa lacuna que nos enlouquece.

Quando uma pessoa se apaixona, não existe nada de material, espiritual ou intelectual que possa impedí-la de viver esse sentimento.

O amor é a nossa maior liberdade!

No amor tudo falta. Nada o preenche. Nada o esgota. Nada toca o amor.

Podemos – no máximo – ecoar, reverberar ou ressoar quem somos no outro. Tocá-lo? Pegá-lo? Tê-lo? Nunca!

Podemos até achar que somos alguma coisa para ele. No entanto – para o seu amor – podemos não significar nada.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram: @evaristo_psicanalista

NÃO SOU NEM DO BEM E NEM DO MAL …

Em tudo há alguma obscenidade. A lei é uma coisa boa? Sim. No entanto, chega uma hora que cansa só obedecer.

Cansa seguir uma mesma dieta e cansa só transar papai e mamãe.

Não deveríamos caminhar em direção a nenhuma verdade. Só a verdade – também – enjoa.

Ao impormos qualquer coisa – seguramente – teremos que nos preparar para a experiência do pior.

Toda pureza leva a alguma impureza. O adolescente promíscuo só se envolve em orgias porque sua mamãe – toda certinha – lhe serve de ponto de exceção, de garantia externa.

Sem perversão nenhum almofadinha se sustenta. Sem os prostítulos as famílias mais tradicionais explodiriam.

Toda objetividade excessiva incita para uma subjetividade desregrada. Desse modo, a melhor saída não é ficar do lado da submissão à lei que – necessariamente – conduz à sua transgressão.

É por isso que não me ligo à nada que se apresenta como verdadeiro. Não quero pagar o preço do risco de enlouquecer. Prefiro habitar o lado onde tudo falha. Prefiro nunca tomar qualquer verdade como absoluta.

Todo extremo – para o bem ou para o mal – é pulsão de morte!

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram: @evaristo _psicanalista

POR QUE SOU UM PECADOR?

Somos inocentes quando nos apegamos a uma verdade. Não existe a sociedade que sonhamos, não existe o amor que desejamos e, ninguém que morreu, voltou para nos assegurar da existência do paraíso.

Portanto, inocência é viver sob a égide de ideologias, teorias ou crenças que, se as questionarmos, não chegaremos a lugar nenhum. A utopia é um lugar que não existe, ninguém possui um conceito definitivo acerca dos sentimentos e não existe o Deus de Deus.

Somos pecadores quando nos abstraímos de todas as ditas verdades e passamos a enxergar tudo como sendo nada. Ou seja, passamos a construir nossos sentidos – especificamente – a partir do que a vida nos apresenta em toda a sua imprevisibilidade.

Inocente é aquele que se diz dono da verdade. Pecador é aquele ateu de todas as verdades. O inocente – seguramente – terá que se haver com a depressão porque não existe, na prática, a verdade que ele tanto idolatra.

O pecador nunca entra em depressão porque sabe o que fazer com sua angústia – uma vez que a verdade que ele constrói só vale para a situação que ele acabou de vivenciar. Ou seja, o pecador não teme o nada.

O inocente vive de camuflar sua existência com suas supostas verdades. É por isso que – dificilmente – ele retorna igual depois que entra em desespero.

O pecador encara a contingência de sua existência. Ele nunca cai em angústia porque esta é uma constante em sua vida. Ele opta por ir enfrentando a vida em cada uma de suas complexidades. Para ele, o sentido não é anterior ao acontecimento. Par ele, o sentido é construído a partir da singularidade de cada situação.

Eu prefiro ser pecador!

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

POR QUE NÃO GOSTO DE FANATISMOS?

Ninguém sobrevive sem alguma crença. No entanto, muitos vivem suas crenças de modo doentio. Ou seja, colocam-se como meros objetos destas.

Ninguém é uma tábula rasa ou uma folha em branco. Partimos sempre de algo que nos é anterior para sermos agora. Contudo, não precisamos repetir esse anterior como sendo única verdade de tudo.

Há o anterior. Mas, há também o meu momento e a minha singularidade. Desse modo, não devo me subjugar ao que me foi dado como se eu não existisse em meus próprios desejos e vontades. Isso não é liberdade. Isso é fanatismo e loucura.

A vida hoje não pode ser uma mera repetição de ontem. O que está sendo não é igual ao que já foi. Precisamos nos desgarrar do passado e tomar o agora em sua particularidade própria – e fora de qualquer universal.

Precisamos compreender a lacuna que o presente está nos escancarando e trabalharmos em cima dela.

Fora isso, repetiremos eternamente a derrota. Fora isso, faz-se necessário sairmos do terreno da objetividade e irmos para o terreno da subjetividade. Ou seja, estamos utilizando crenças – que hoje não fazem o menor sentido – apenas para gozarmos do nosso masoquismo.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

POR QUE SOMOS TODOS ASSEXUADOS?

Sexo quer dizer ligação. Nesse caso, assexuado quer dizer o que é sem ligação. É nesse sentido que somos todos assexuados.

Quem dera se ligação fosse só ir para a cama com alguém. Não somos só instinto.

Algumas coisas – para funcionar bem – precisam fazer sentido. Desse modo, no sexo, não basta que a ligação seja só física.

Sexo não é só química! Quem dera!

Nunca atingiremos cem por cento de ligação com quem quer que seja. Somos seres de linguagem e, por isso mesmo, não existe um aparelho que possa nos assegurar da sinceridade do que o outro está falando e sentindo.

Outra pessoa pode estar excitando – na fantasia – o seu parceiro enquanto você acha que está arrasando com ele.

É essa angústia – de nunca poder estar certo do outro – que é sem ligação.

Quem amamos pode nos dizer de seu amor um milhão de vezes. Contudo, jamais saberemos – com exatidão – se esse amor é mesmo verdadeiro como gostaríamos.

É por isso que os bichos não sentem angústia. Os animais não necessitam dessa ligação – a mais e impossível – para copularem.

Nós – humanos – não existimos sem ela – e temos que dar conta de gozar com ela.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

VOCÊ DESEJA A SUA VERDADE?

Não existimos sem desejar. No entanto, não existimos se só desejarmos pessoas, ideias e coisas.

Precisamos buscar suprimir o que nos falta e, ao mesmo tempo, desejar a própria falta.

Quem dera se fôssemos só o que amamos, pensamos e adquirimos. Somos – também – o que nada disso tampona.

Temos que dar conta de ser com isso.

Cultivamos nossos amores, defendemos nossos pontos de vista e trabalhamos para engordar nossa conta bancária. Porém, precisamos ter forças para desejar o que está depois de tudo isso. Ou seja, precisamos ser fortes para enfrentar o nada.

Infelizmente, nos iludimos de que a vida se resume apenas ao que podemos realizar. Há o irrealizável. Somos – também – o que está na contramão de tudo o que realizamos.

Chegará uma hora em que isso se apresentará – independentemente da nossa vontade. Reagiremos bem se tivermos cultivado – com tranquilidade – esse nosso vazio. Agora, caso não o tenhamos feito, seguramente, sofreremos muito.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista