QUAL A VERDADE MAIS COMPLETA DA VIDA?

Em tese, se pensarmos friamente, veremos que viver não faz o menor sentido. Não sabemos de onde viemos e para onde vamos, não controlamos o tempo, jamais estaremos seguros dos sentimentos das pessoas por nós e vamos envelhecer e morrer.

O que faz, então, viver valer a pena? O poder que nos foi dado de fazer furos nesses não-sentidos da vida.

Fazer furos significa a festa que podemos ir, a viagem que podemos fazer, os amores que podemos ter e os orgasmos que podemos sentir.

Fazer furos quer dizer que podemos atingir apenas uma certa extensão e uma certa profundidade nesse não-sentido da vida. É por isso que sempre estamos pensando na próxima festa, na próxima viagem, no próximo amor e no próximo orgasmo.

Não podemos tudo e – também – não podemos nada na vida. Podemos apenas algumas coisas.

A vida é – portanto – a capacidade que temos de tocá-la somente pelas suas bordas. Jamais atingiremos a essência do que quer que seja.

Ninguém possui toda a verdade de nada.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

NÃO EXISTE O GOZO QUE QUEREMOS …

A mídia nos diz o tempo todo que podemos realizar todos os gozos que mais almejamos.

Quais gozos mais desejamos? Gostaríamos de nunca sentir pânico, angústia, ansiedade ou depressão. Gostaríamos de poder parar o tempo e de não continuarmos envelhecendo. Gostaríamos de ter a certeza da eternidade.

É com esses gozos que a mídia joga conosco para nos vender seus produtos.

Se observarmos atentamente, veremos que a felicidade midiática nunca aparece entremeada de qualquer tristeza e que as pessoas associadas aos seus produtos nunca envelhecem ou enfeiam. Ou seja, são eternas porque são sempre jovens, bonitas, fortes e alegres.

A mídia delira. A realidade nunca é constante e regular. A realidade é contraditória. Jamais, na vida real, conseguiremos atingir os gozos que as telas nos apresentam.

Não podemos culpar a realidade pela epidemia de pânico, angústia, ansiedade e depressão que estamos imersos.

Não é a realidade que traumatiza. O que traumatiza é a pessoa que se deixa levar pelas mentiras dos gozos completos.

Podemos – sim – criar alucinações e delírios. No entanto, jamais poderemos conter as verdades que somos – e que mídia alguma conseguirá nos livrar.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

NÃO EXISTE O AMOR QUE VOCÊ QUER …

Podemos devorar uma maçã. Podemos recortar, tingir ou descolorir uma roupa qualquer.

Há o que podemos tomar e fazer o que quisermos. No entanto, há o que não podemos fazer nada porque desconhecemos o seu conteúdo. Há o que só podemos comer pelas beiradas.

Assim é o amor. Jamais saberemos tudo de amar. O amor é o que só podemos usufruir de longe, chegar perto e até ressoar algo dentro dele. Contudo, jamais saberemos acerca de sua consistência. Jamais o tocaremos ou o pegaremos.

Há quem queira abocanhar o amor como quem devora uma fruta ou manipula um objeto a seu bel prazer.

Querer pegar o amor é o mesmo que mergulhar em um abismo. É por isso que as pessoas surtam ou enlouquecem por amor. Sendo o amor um abismo, quanto mais mergulhamos nele, mais distante dele ficamos.

Só podemos sussurrar alguma coisa dentro do amor. Podemos contorná-lo, enquadrá-lo e até desenhá-lo. Porém, jamais conseguiremos apreender o seu cerne, o seu núcleo e a sua essência.

Você quer amar? Contente-se com o amor que o outro quiser te dar. Esse é o máximo do amor de si que ele é capaz de fazer reverberar em você. Aproveite!

Ninguém consegue dar todo o amor de si para quem quer que seja – porque o amor não apreensível nem mesmo para aqueles que acham que o possuem.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

SOBRE O SILÊNCIO DO PSICANALISTA …

É relativamente fácil comprar uma casa, um carro, um novo nariz e uma nova boca. No entanto, há o depois da casa, do carro, do nariz e da boca.

Vamos todos partir um dia – e deixaremos tudo o que temos e somos para trás.

O psicanalista está nesse lugar da angústia que está por detrás do carro, da casa, do nariz e da boca. É por isso que ele não escuta o que temos e somos. Ele escuta o que está depois de tudo que temos e sabemos sobre nós mesmos.

A psicanálise não ensina. Ela não aplica saberes já estabelecidos. Ela visa produzir saberes novos. É por isso que o psicanalista é silencioso. É por isso que quando ele fala é para pontuar esse lugar do silêncio que nem a melhor casa do mundo consegue preencher.

É esse silêncio que as pessoas mais temem. Não é mesmo fácil sustentar o que não somos, se arranjar com isso ou colocar isso dentro da mochila – e seguir.

O problema não é a casa, o carro, o nariz e a boca. O problema é quando usamos o que temos para tentar tamponar nossos demônios existenciais – que são intamponáveis.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

O QUE FAZER QUANDO ALGUÉM TE DER UM FORA?

Não é para sofrer que vida nos coloca diante de certas situações.

Quem você ama resolve te abandonar. A vida não te colocou nessa situação para você passar semanas enviando dezenas de áudios implorando ao outro que reconsidere sua dor e retome o relacionamento.

Ao sofrermos, assumimos que fracassamos nas verdades que possuímos sobre o amor e que fracassamos em nossa capacidade de inventarmos outra coisa que não seja forçar uma reconciliação.

O amor pode ser outra coisa que não a dor ou uma volta obrigada.

Não deveríamos colocar o sofrimento como resposta ao que não damos conta na vida. Também, não deveríamos forjar um retorno de algo que não existe mais.

Deveríamos partir da perda para outra coisa que não fosse a dor e nem a forçação de barra do que já caducou.

Colocamos a dor ou a chantagem no lugar da perda porque não sabemos exercitar o pensamento diante do abandono.

O nome da perda não pode ser dor ou perseguição. É preciso inventar outro nome para isso. Esse nome é de cada um que perde – mesmo porque não existe perda igual.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalisra

QUANDO TEM QUE DOER PRA RESOLVER …

Achamos que damos conta de tudo com o pensamento. Não damos! Temos outras formas de responder quando rompem abruptamente nossos e amores e utopias.

A dor é também política.

Dependendo do contexto, é impossível dar conta só com o pensamento. É necessário trazer o corpo junto.

Nunca a humanidade passou sem alguma somatização – mesmo em seus momentos de maior prosperidade.

Infelizmente, muitos estão se entupindo de medicamentos quando deveriam compreender suas comorbidades mentais como modos singulares seus de fazerem frente à contextos em que o pensamento – sozinho – não é capaz de dar conta.

Desse modo, em determinadas circunstâncias, a dor não é doença: é solução. A dor pode ser uma resposta possível em casos de crises agudas e pode ser uma forma de laço e de resistência em tempos de caos social.

Pior pode ficar se abstivermos dela.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

O QUE É PRECISO ACONTECER PARA QUE UMA PESSOA SE TORNE ANSIOSA?

Toda doença mental é fruto do encontro do ser humano com a sua verdade mais profunda. Essa verdade é resultante do fato de que não há verdade. Para muitos, entrar em contato com isso é algo da ordem do insuportável.

A ansiedade é um modo de fazer frente a esse insuportável. Desse modo, o ansioso está o tempo nos dizendo de seu desespero para com isso que ninguém pode fazer qualquer coisa por ele.

O ansioso nos diz que somos compostos de algo que não existe nada que seja capaz de fazer algum laço com isso. Nesse contexto, para não fazermos o pior, só nos resta jogar isso no corpo na forma de sintomas.

Creio que na história da humanidade o corpo nunca foi tão usado – como agora – para resolver problemas existenciais.

Estamos imersos em uma epidemia de ansiedade nunca antes vista. Na verdade, acredito que nunca fomos tão expostos a esse insuportável como na atualidade.

O ansioso quer nos dizer que precisamos encontrar um jeito de nos arranjar melhor com esse desamparo – e que não seja pela somatização e pela ruminação mental.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

VOCÊ CONSEGUE SE PREENCHER COM SEU VAZIO?

O problema é quando desembestamos a procurar por um outro que gostaríamos de ser. Ou seja, quando saímos procurando esse outro-nosso que fosse sem enigmas. Doce ilusão!

Nunca saberemos quem somos. É por isso que muitos são desassossegados de dia e sem sono à noite.

Não existe esse outro – idealizado – que inventamos para nós mesmos. Quantos já não tomaram suas vidas pelo que não são? Quantos não vivem perdendo tempo com terapias e livros de autoajuda inócuos?

Todo autoconhecimento é mentiroso. Não existe introspecção – ao menos no sentido de querer saber de si através de uma construção fora de si.

Existe solução para o vazio de si? Sim. Mas não uma solução para fora dele. A solução é para dentro dele – e sem querer ultrapassá-ló.

A solução não é sair do um pulando para o dois, o três – e assim por diante. A solução é da conta de ficar com esse um-vazio. Tomá-lo como sendo seu, carregá-lo e, quem sabe, até dar conta de gostar dele. Sem ser masoquista, é claro.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

O QUE SÓ EU POSSO CONHECER DE MIM?

Não sabemos de onde viemos e para onde vamos. Por mais que a religião nos diga desse saber, ninguém que morreu, até hoje, voltou para confirmá-lo.

Vamos envelhecer e vamos morrer. Por mais que a medicina já tenha atingido o nosso DNA, ela ainda não foi capaz de descobrir a fonte da juventude e da eternidade.

Somos seres de palavra. No entanto, ainda que o outro nos diga milhões de vezes que nos ama, nunca estaremos cem por cento seguros de que ele esteja falando a verdade.

Não há dúvida de que avançamos em muitas áreas do conhecimento. Há cinquenta anos atrás jamais imaginávamos as facilidades que o desenvolvimento tecnológico tem nos propiciado hoje.

Por que, então, as pessoas continuam depressivas, ansiosas e amedrontadas? As pessoas continuam adoecidas porque continuam esperando fora de si a solução de problemas que só dizem respeito a si mesmas.

Não teremos paz enquanto não dermos de conta de nos arranjarmos com o que é só nosso e que nada e nem ninguém pode fazer qualquer coisa por nós.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996172882
Instagram:@evaristo_psicanalista

POR QUE O PSICANALISTA NUNCA MENTE?

Não é o outro que nos abandona. Não sofremos porque um ente querido nosso morreu. Esses sentimentos já estão conosco desde que nos entendemos por gente.

Quando alguém nos abandona ou morre, apenas trazemos de volta essas dores e as descarregamos nesses acontecimentos.

A dor nunca é de quem abandona ou morre. A dor é do modo como esses fatos impactam quem fica.

Por que o abandono e a morte reverberam em nós como sofrimento? Porque tudo o que pensamos e fazemos é para fugir disso que nos é inevitável.

Infelizmente, temos mais intimidade com a mentira que com a verdade. Temos mais intimidade com o apego que com a perda. O apego é uma ilusão e a perda é um fato.

A psicanálise faz o caminho inverso da religião, da ciência e do consumo. Ela é, em alguma medida, preventiva da dor que seguramente nada e nem ninguém pode nos livrar.

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista