TEM MUITA GENTE DELIRANDO POR AÍ …

TEM MUITA GENTE DELIRANDO POR AÍ …

Somos carência e somos o que entendemos como sendo o que nos livra dela. A carência nos entristece e, nos alegra, o que entendemos como sendo seu complemento.

Contudo, sofreremos muito se nos fixarmos nessa falta ou se nos fixarmos nessa completude.

Esse é o papel da realidade: não deixar que adentremos em uma depressão e nem que adentremos em um quadro paranóico.

A paranoia diz respeito àqueles que são obcecados pela felicidade através de um grande amor, uma estética toda harmonizada ou uma conta bancária bem polpuda. Doce ilusão!

Qual medida de amor precisamos para nos sentirmos completos? Qual quantidade de cirurgia plástica necessitamos para nos olharmos no espelho sem qualquer distorção da nossa imagem corporal? É possível quantificar o amor? É possível mensurar a beleza? Não.

É por isso que depressão e paranoia são dois lados de uma mesma moeda. O delírio de completude começa com a depressão e, no final, necessariamente, leva de volta para ela.

A verdade da vida é que carregamos o pior. Nesse pior, existe uma certa cultura da ilusão de que podemos passar sem ele. Será?

Deve existir um lugar entre esse pior e esse melhor que seja o que chamamos de bom senso. A questão é como encontrá-lo?!

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento por vídeo chamada pelo WhatsApp: 31 996171882
Instagram:@evaristo_psicanalista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s