POR QUE AS PESSOAS SURTAM POR AMOR?

Achamos que o amor pode ser só amor – tanto que juramos amor eterno. Achamos que a vida pode ser só vida – tanto que inventamos a ressurreição.

O amor não é só amor e a vida não é só vida. Nada é uma coisa só. Tudo é contingente. Tudo é infinito.

Ao perguntarmos pelo sentido, cairemos no infinito do sentido do sentido.

É quando a vida nos dá sinais de seus enigmas que entramos em pânico ou surtamos.

Contudo, o amor não é só ilusão. Amamos, abraçamos, beijamos e transamos. Isso tudo é muito bom – e é real. Com isso, sabemos lidar muito bem.

A questão é quando queremos fazer possível o impossível do amor. Ou seja, queremos que amar seja só amar. Queremos que a vida seja só vida. Não é. Nunca será.

Há um estranhamento em amar e em estar vivo. Há algo no amor que não podemos tocar como quando abraçamos, beijamos e transamos com quem amamos.

Quem dera se amar fosse só abraçar, beijar e transar?! Chega uma hora em que o outro vira para o lado e dorme. Chega uma hora em que – mesmo estando ao nosso lado – ele se perde em seus pensamentos. Por que ele não tira olhos do seu WhatsApp? Será que ele foi direto para casa? Será que ele está no trabalho agora?

Sobre o amor sabemos muito bem. O que não sabemos é do que não controlamos no amor. É por isso que tantos surtam. Só nos ensinaram sobre um amor de superfície. Falta-nos aprender o que do amor beira à loucura!

Evaristo Magalhães – Psicanalista
Atendimento online: WhatsApp 31 996171882

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s