DO QUE NÃO PODEMOS SER CASTRADOS?

Sabemos que as palavras não são as coisas. Se a palavra “amor” não é o sentimento “amor”, isto quer dizer que somos castrados da verdade sobre o amor? Sim. No entanto, isto não significa que podemos sair por aí chamando de amor qualquer coisa que fizermos.

Há algo da palavra “amor” no sentimento “amor”. O que? A não-violência.

O amor pode ser qualquer coisa – com a condição de que seja amor.

Podemos – sim – relativizar tudo. Ninguém é igual. Cada um constrói para si um saber que melhor abarque seu gozo.

No entanto, não é saber desrespeitar e agredir o outro.

O saber supõe uma lógica – e não é lógico ser desonesto. A violência não faz sentido porque à medida em que apronto, estou criando uma cultura de violência que, certamente, retornará contra mim.

Desse modo, não importa como eu me visto, qual meu gênero, a cor da minha pele, com quem eu durmo e o que penso. O que importa é que quem sou não impeça a ninguém de ser como quiser. Essa é minha castração: ser livre à medida em que minha liberdade respeite a liberdade de todos.

Ou seja, não pode ser liberdade querer suprimir a liberdade alheia. A liberdade é a verdade – exceção apenas para quando eu estiver colocando em risco o meu direito de ser livre.

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s