COMO LIDAR COM AS PERDAS?

Um emprego conseguimos encontrar outro. Um carro conseguimos comprar outro igual. E quando não dá para reverter? No amor, por exemplo. Telefonamos. Mandamos watsZaps. Vamos atrás. Imploramos. Humilhamos. E quando o outro nem existe mais? Por exemplo, quando perdemos alguém por morte. Nem tudo na vida pode ser revertido. Temos que ver o que vamos fazer com isso – que se foi e nos deixou um vazio absoluto. Não há remédio para a dor de amor. Não há substitutos. Cada amor é único. Cada pessoa é única. Portanto, nenhuma sociedade sabe o que fazer com isso? Se não temos o meio para nos ajudar a resolver, o que restou? Restou cada um com seu vazio. A questão é que não precisamos – necessariamente – viver uma perda amorosa para experimentarmos a dor de existir. Mesmo quando perdemos um emprego ou um objeto qualquer, a experimentamos. Quando? No intervalo entre o que perdemos e o encontro do que entrará como substitutivo. É por isso que tanta gente surta por bobagens. Portanto, somos, também, este vácuo. Ninguém está ileso dele. Teremos que nos reinventar nele. Ele é meio que desesperador. Espera-se que nos reinventemos bem.

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s