HÁ MUITAS FORMAS DE GOZAR DO OUTRO…

Temos problemas de relacionamento porque queremos entender o que o outro diz. Queremos encaixar o outro em diferentes sentidos. Há algo bem melhor no outro do que querer compreender o que ele está pensando. Não é pelo que o outro diz que saberemos quem ele é. Não há um consenso universal acerca do sentido das palavras. Não atente-se ao blá blá de ninguém. Ninguém é o que diz.

O melhor nunca é o sentido: o melhor é a energia da fala. O melhor é o calor do dizer. Ao invés da palavra, prefiro o sonoridade do dito. Gosto de saborear a tonalidade das vozes que me chegam. Prefiro sentir a respiração de quem me fala. Gosto de ouvir a trepidação das cordas. Imagino o sangue pulsando em toda a musculatura tensionada para falar. Deliro com a rouquidão de um sussurro. Interessa-me a sensualidade de uma voz baixa e calma. Gosto do afeto que faz vibrar a fala, faz o olho brilhar e a boca mover para cima, para baixo, para dentro e para fora. Tento me ocupar menos de entender o que o outro me diz e mais de sentir o que ele me diz. Não há duplo sentido no que do corpo é a fala. Ninguém consegue não ser com seu corpo. A mente mente. O corpo não mente. Todo o corpo goza quando fala – ainda quando fala preguiçoso. A fala pode ser a mesma, mas o tesão de falar nunca. Adoro emudecer a tela para sentir tudo do homem Brad Pitt em Bastardos Inglórios.

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s