O QUE É UM MUNDO DE PESSOAS DEPRESSIVAS?

Freud desvendou a origem do nosso psiquismo: nascemos com desejos proibidos e com desejos insolúveis. Para os primeiros, na impossibilidade de negociar com o meio, temos que pagar com o mal-estar do recalque. Para os segundos, não há muito o que fazer. No entanto, Freud tomou o amor como um meio de amenizar o fato de não ter solução porque envelheceremos e morreremos. A primeira paixão contra os nossos pânicos é o famoso Complexo de Édipo. Amamos nossos pais iludidos de que estaremos protegidos das intempéries da nossa existência. Depois amamos nossos amigos, nossos amantes, as artes, a filosofia e as ciências, com este mesmo objetivo. E quando tudo isso se liquidifica? E quando parece que o amor não existe mais? Entramos em depressão. Ficamos melancólicos. Perdemos o sentido. O que sobrou? Os prazeres do corpo. Não cuidamos mais das nossas relações: ficamos por ficar. Transamos pelo prazer efêmero. Viramos objetos. Nossa olhar esvazia. Perdemos em intensidade sentimental. Coisificamos e somos coisificados. Parece que, nesse momento, foi tudo o que sobrou da nossa humanidade.

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s