AMAMOS – OU NÃO FAZ NENHUM SENTIDO VIVER …

Como amar se as pessoas não possuem bons motivos para serem amadas? Amamos o outro por suas qualidades. Parece que estamos perdendo as qualidades de sermos amados. Como amar alguém que está infeliz com o mundo? Como amar alguém que está depressivo? Como amar alguém que está infeliz no trabalho? Como amar alguém que só está preocupado em ganhar dinheiro? Como amar alguém que não crê no futuro da humanidade? Como amar alguém que não tem amor para dar? Como amar alguém que está ansioso o tempo todo? Como amar alguém que não tem mais tempo para escutar o que o outro quer falar? Como amar alguém que só pensa no outro como um objeto a ser usado e a ser descartado? Estamos doentes porque queremos e não sabemos mais amar. Estamos doentes porque o amor está desaparecendo do mundo. Precisamos resgatar o amor. Os pais, por não estarem sabendo amar a seus filhos, estão amando-os além da conta. Isso não é amor, e sim, sufocamento. Os alunos se sentem mais perseguidos que amados por seus professores. Os empregados se sentem mais usados que amados por seus patrões. Os brasileiros não se sentem mais queridos por suas lideranças. Os idosos vivem como se fossem um peso para os seus. Deixamos de ser objetos de amor para as pessoas. Ninguém confia em ninguém. Viramos zumbis uns para os outros. Olhamo-nos com estranhamento. Estamos com preguiça das pessoas. As pessoas estão sem paciência para conosco. Todos estão loucos para chegar o fim-de-semana para encherem a cara e saírem fazendo sexo com todo mundo. Todos estão loucos para entrarem de férias para não terem mais que encontrar uns aos outros. Sem amor, não faz sentido viver. Precisamos olhar e sermos olhados como alguém que possui algo de bom para oferecer. Não algo bom fisicamente: isso não é amor, mas interesse. Precisamos resgatar a beleza de ser humano. Precisamos resgatar o gosto de estar com o outro – não como se estivéssemos perdendo tempo. Não deveríamos fazer por obrigação. Não deveríamos receber só por receber. Precisamos voltar a fazer pela alegria de viver. Estamos perdendo a felicidade de conviver. Não sabemos mais o que é uma alegria gratuita. Bebemos para fazer catarse das nossas frustrações. Já saímos tristes de casa. Vamos sem o tesão de ir. Estamos tristes porque não é o amor ou a alegria que nos espera. Estamos tristes porque não estamos conseguindo levar a alegria para onde vamos. O mundo esvaziou: viramos autômatos. Ninguém tem mais tempo para amar. Ninguém tem mais tempo para ser. Só queremos o ter. Quanto ao ter, sabe o que temos de verdade? Temos o tempo que está passando e estamos envelhecendo e morrendo nele. Disso, nenhum ter nos livra. Quanto a isso: só o amor faz sentido. Amamos – de verdade – ou não faz o menor sentido viver.

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s