QUAL O SEGREDO DA VIDA BOA?

Há o que nada podemos. Há o inevitável. A questão é o que fazer com isto. Para tanto, cantamos, viajamos e amamos. De que adianta tudo isso? Nada.

A vida boa não está em fazer uma coisa para se livrar de outra. Ninguém vive bem em fuga constante.
Não deveríamos fazer apenas para tamponar o intamponável. Julgamos aquilo como sendo insuportável para justificarmos nossa crença em uma felicidade que eliminasse – por completo – esse insuportável. É por insistirmos que acabamos sempre tristes.

A vida boa não é nada disso. O prazer de viver está em dar conta de olhar para esse insuportável sem condená-lo como tal.

Viver é ser capaz de tomar o que não nos agrada como sendo nosso – e da forma mais silenciosa possível. É ser capaz de ver sem se alegrar ou sofrer. É ser capaz de carregar sem pergunta pelo sentido. Não se trata de gostar ou não gostar. Trata-se de tomar como parte.

Tudo questionamos. Cremos que a alegria de viver pode ser conquistada de pergunta em pergunta até atingirmos a resposta definitiva. Doce ilusão!

A vida boa é ser capaz de carregar o que não cabe qualquer saber – e sem se angustiar, desesperar ou ficar ansioso com isso. É ter a capacidade de tomar os próprios enigmas – e sem a pretensão de decifrá-los. É aliar-se aos mistérios da vida – e sem temer ser devorado por eles.

A vida boa não é combater o incombatível. Viver bem é dar conta de tomar o que não nos foi dado o direito de querer saber as razões disso.  

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s