O QUE TENHO FEITO PARA NÃO ENLOUQUECER DIANTE DESSE MUNDO LOUCO?

Parece que tudo – atualmente – conspira contra o que entendemos como sendo o melhor para uma boa convivência social e para os nossos sonhos de um mundo mais solidário para todos. A cada minuto nos chega uma notícia bombástica detonando – ainda mais – com a justiça, com a democracia e com o respeito pelas diferenças. Parece que tudo o que tínhamos como norte está vindo à baixo. Como sobreviver em um mundo sem ideais? Como não enlouquecer em um mundo completamente irracional? Quando nossos projetos de sociedade se esvaem e quando nossos sonhos são jogados por terra, só nos resta – para não surtarmos – focarmos nos voltarmos para os nossos prazeres mais cotidianos. É o que tenho feito. Estamos – completamente – perdidos quanto as teorias e os sonhos que nutríamos, até bem pouco tempo, de um mundo melhor. Contudo, a vida ordinária sempre nos surpreende. Quando as coisas maiores se perdem, só nos resta nos apegarmos às coisas – ditas – menores da vida. Tenho tentado encontrar alguma alegria de viver na imprevisibilidade do cotidiano. Tenho valorizado – sobremaneira – aquele colega que me para no corredor do trabalho e me conta uma coisa engraçada que aconteceu com ele no último final de semana. Não abro mão de abrir uma brecha qualquer do meu dia para sentar e tomar um café com aquele meu amigo que me convidou pelo zap. Não abro mão de verificar a programação de teatro, cinema e shows da cidade, esperando encontrar qualquer coisa que me propicie pensar sobre mim e sobre esse mundo louco a que estou submerso. Não rejeito convites para jogar um buraco, tomar um bom vinho, conversar, ouvir uma boa música, fumar meu charuto e contar piadas na casa de campo de um amigo querido. Ainda tenho meus livros que gosto de ler, meus discos que gosto de ouvir e as comidas que adoro saborear. Ainda não nos tiraram tudo. Somos plásticos. Ao retornarmos para o cotidiano, estamos apenas adquirindo forças para retomarmos nossa luta em um plano maior. Estamos gozando aqui, para depois reiniciarmos nossa luta pelo direito a um mundo em que todos possam gozar melhor e do que quiserem. É só uma questão de tempo.
Evaristo Magalhães – Psicanalista

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s