QUAL O SEGREDO DO AMOR?

Não estamos seguros de nenhum amor. É sempre possível que quem amamos encontre amores ainda mais amáveis que o nosso. Ou seja, temos que dar conta de amar o amor e de amar o medo de perder o amor.

O que fazer para que  esse medo não interfira em nossos amores? Não existe solução para o conflito entre amor e desamor. Temos que ceder ao desamor na mesma medida em que cedemos ao amor. Temos que fazer do desamor uma possibilidade tão real tanto quanto a possibilidade do amor.

No entanto, temos que ceder ao desamor sem que isso se torne insuportável para o amor que temos.

Do mesmo modo, não podemos ceder ao amor negando toda e qualquer possibilidade do desamor.

Não existe amor separado de desamor. Temos que nos permitir ao desamor até o ponto em que isto não configure uma insegurança crônica. É o mesmo que manter a crença na possibilidade da perda – de tal modo que ela não configure surpresa caso venha a acontecer.

Entre amor e desamor ninguém consegue dizer o que é mais verdadeiro.

O amor é o que mais queremos. Contudo, não podemos usar o amor para camuflar o desamor. O amor fica exatamente entre a sua realização e o seu fracasso. Que ele permaneça nesse lugar, porém, sem nos configurar um incômodo significativo.
Evaristo Magalhães – Psicanalista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s