COMO NÃO SOFRER POR AMOR …

Quando amamos queremos só o amor, isso é mais que óbvio. Contudo, o desamor é uma possibilidade. No entanto, ninguém ama pensando em ser desamado. Há quem ame. Talvez, por isso mesmo, sofremos quando o desamor bate à nossa porta. Uma alternativa, é crer no desamor sem aderir à ele. Cremos em deuses, mas nunca os vimos. Caso eles venham a se manifestar, provavelmente, pela fé que nutríamos neles, não ficaríamos nem um pouco surpresos. Assim, podemos fazer com o amor. Estamos certos do amor, porém, apenas crendo no desamor. Na eminência dele se manifestar, estaríamos protegidos de sofrer em detrimento desse lampejo de crença que sempre esteve aceso – ainda que em um recôndito muito distante da nossa mente. Poderíamos usar esta mesma estratégia para as nossas possíveis doenças, para a nossa velhice e para a nossa morte. Nas nossas piores horas, seriamos salvos pela ilusão que – em certa medida – nunca nos permitiu de alienarmos completamente desse lado contingente da vida. A crença diz respeito ao que pode vir a ser sem ainda ser. Precisamos desejar o amor sem nos sucumbirmos totalmente ao masoquismo do desamor. O amor – sim – é para ser vivido. O desamor é para ser mantido bem afastado, porém, sem nunca ser retirado de lá. Portanto, creia mais. Não perca a sua fé em certas coisas. Na hora certa, poderemos ser salvos pela nossa imaginação.
Evaristo Magalhães – Psicanalista

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s