A DEPRESSÃO É UMA INVENÇÃO…

Li – recentemente – um autor dizendo que – em algum momento da história – a humanidade foi provida de referenciais que dirigiam a maneira como o sujeito deveria agir nas mais diferentes situações. Para esse mesmo autor, a epidemia de depressão que estamos vivendo teria como causa o fim desses referenciais. Será? Considero o agir humano muito mais complexo que qualquer referencial. Não creio que possa existir qualquer coisa capaz de abarcar toda a complexidade da existência humana. Algo da ação sempre escapa. Se hoje, isso que foge, se manifesta como depressão, ontem se manifestava em cegueiras, contraturas e paralisias. Acho complicado esse tipo de diagnóstico – muito nostálgico de um tempo que nunca existiu. Não creio na cura pelos referenciais. Aliás, prefiro sem referenciais – ficamos menos robóticos. Quanto menos discurso, mais subjetividade. Quanto menos saber, mais espaço para abarcar isso que foge à qualquer forma de categorização. O que a palavra não abarca, vai para o corpo na forma de sintoma. Frase bonita, não é? Creio nisso como uma invenção da própria cultura. Parece que somos incapazes de suportar o nosso vazio. Parece que o tempo todo temos que abarrotar esse nosso vácuo com qualquer coisa – a sociedade de consumo sabe muito disso. Não se trata de trocar o furo por referências. Também, não se trata de trocar o furo por doenças – mesmo porque, de todo modo, esse furo sempre retornará. Trata-se de inventa modos – para além do discurso – para lidar com isso que nenhum discurso toca.
Evaristo Magalhães – Psicanalista

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s