NÃO PODEMOS FRAQUEJAR, TEMOS QUE FRANQUEAR A VIDA …

Freud criou o conceito de compulsão à repetição. Toda análise termina com um resto que nenhum pensamento toca. Mesmo cuidando da saúde isso não nos impedirá de envelhecer. Mesmo amando loucamente isso não nos protegerá da solidão.

Não entendo porque tantos se iludem com bobagens.

O mundo sempre se encarrega de me mostrar quando me nego ver os sinais que contrariam minhas expectativas.

Nenhum resto aparece do nada. Todo resto já é.  Mais traumático será sua chegada quanto mais dele fugirmos.

No entanto, não podemos fraquejar. Isso que se repete não existe para ser negado. Existe para ser franqueado porque aparece em aberto para testar nossa capacidade de invenção.

Temos um poder  absurdo de criar sobre o que nos apresentam um mundo cor de rosa e uma vida paradisíaca. Não são essas invenções que a existência espera de nós. Essas, não nos levarão muito longe.

Só existiremos – de fato – criando algo que dê conta disso que falta. Como nada e nem ninguém pode fazer isso por nós, vamos passar a vida toda criando.

O ideal é que não sejam invenções ilusórias, mas que abarque tentando suprir a dor contida aí.

Nossas falas e atos precisam ser mais reais – mesmo sabendo que um resto sempre ficará franqueado.

Esse resto somos nós em construção, agora, talvez, com um pouquinho mais de verdade.

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s