NÃO ME AMA QUE ME PRIVA DE SER QUEM SOU …

Não podemos perder a nossa subjetividade enquanto amamos. Somos dois: não somos um. Somos amantes: não somos idênticos. Somos um casal: não somos iguais. Somos atravessados por infinitos desejos. O amor que estamos vivendo é uma das tentativas de realização de um desses desejos. O meu amor é uma das minhas felicidades. Tenho outras tantas felicidades que incluem pessoas, ideias, coisas, lugares, sonhos, sensações. Só serei feliz se eu não me perder do que me é mais subjetivo. Só serei feliz se eu não me privar da liberdade de viver todas as felicidades do meu desejo. Não me ama quem me priva de viver quem sou.

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s