Por que GOSTO TANTO de ir ao TEATRO?

O trabalho do ator é o que mais se aproxima do que acontece na clínica psicanalítica. Não podemos falar de fim de análise. Há um núcleo constitutivo do ser humano que não tem solução. Nunca saberemos – com segurança – o que fazer quando somos tomados pelo nosso sexo e pela nossa raiva. Nunca estaremos totalmente certos. Somos contraditórios. Somos dúbios – portanto – trágicos. Podemos passar a vida toda queixosos porque não fomos amados como gostaríamos. Podemos viver revoltados com a perda do nosso vigor juvenil. Podemos somatizar as castrações inevitáveis. Sofrer pode ser também uma saída. Este não é o convite que a Psicanálise nos faz. Nossos analistas esperam de nós algo semelhante ao que o ator faz em cena. Com a diferença que ele volta em si quando o espetáculo termina. Deveríamos incorporar a cena à vida. Ele é capaz de viver vários papéis. É  esta plasticidade do teatro que precisamos transpor para o nosso viver. Ela é o cerne de tudo. Qual a sua cena agora? Qual o seu drama? Qual a sua queixa? Por que você fala tanto? Por que você não incorpora outras vidas? Por que repete tanto? Por que você vive na mesmice? Por que não cria? Por que não manifesta? Por que não age? O silêncio do analista é para que o analisando pare de falar e atue. Curamos – ainda que provisoriamente – quando vivemos o trabalho do ator na vida. Creio ser este o verdadeiro papel social do teatro: chacoalhar o espectador. A mudez do psicanalista aponta para o fato de que somos seres desejantes. Nenhum personagem é capaz de nos tirar a falta. Sempre seremos assombrados por fantasmas mil. Nunca estaremos seguros de muita coisa. Por isto é que precisamos nos reinventar a cada minuto. A vida é ato. Não é discurso. É ação. Não é blá blá blá. Não temos muitas saídas. Podemos viver como coitados. Também podemos recriar nosso cotidiano. O ator vive a tragédia de forma prazerosa. Alguns conseguem até nos fazer rir. Existe coisa melhor do que viver – por exemplo – uma esquizofrenia com arte. Falta arte em nossaa loucuras! É genial a invenção teatral de exorciza-encenando nossos demônios. Temos muito o que aprender com nossos atores. Agora entendo – perfeitamente – porque os bons atores preferem o teatro acima de qualquer outra expressão artística. O teatro é o modo do ator se reinventar. Qual é o seu modo?

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s