Quando a VIDA era menos ATRIBULADA …

Houve um tempo em que as pessoas eram a parte mais importante de tudo. Não era um tempo em que o dinheiro predominava como valor maior. As pessoas trabalhavam e tinham seus afazeres domésticos. No entanto, o que elas realmente gostavam era de estar umas com as outras. Havia rodinha de amigos na porta do vizinho, as praças ficavam lotadas nos finais de semana e as pessoas conversavam e cantarolavam nos alpendres. Não havia preocupação com o amanhã. Ninguém tinha medo do futuro. As pessoas – simplesmente – adoravam se encontrar. Tudo era muito natural. O mundo era mais estável. Não havia tanta competição no trabalho, na escola e na família. Ninguém tinha pressa. O tempo corria lento e solto. Os dias eram longos. O natal demorava. A moda durava décadas. A geladeira era para toda a vida. As notícias ruins quase não chegavam. A vida era mais tranquila. As pessoas contentavam-se com pouco. Aliás – não se achava pouco – porque não se sabia o que era o muito. A vida seguia uma rotina própria. Cada um arranjava seu próprio cabelo. Nas lojas a pessoa escolhia o tecido e o molde. A costureira levava semanas para confeccionar a roupa. Não havia tanta ansiedade. Cada pessoa tinha um – ou no máximo – dois pares de sapatos: um para trabalhar e outro para as festas. Não havia tanto consumo e nem motivos para acumular coisas. O mundo era bem menor. Talvez – por isso – não se ouvia falar em síndrome do pânico. Como pouca coisa diferente acontecia, não havia muito com o que se preocupar. Quase não se ouvia falar de insônia. Não existia comida industrializada. Toda receita levava horas para chegar à mesa. Talvez – por isso – não se ouvia falar tanto em obesidade. Era um mundo de pouco dinheiro, pouca tecnologia e pouco consumo. No entanto, era um mundo de muito mais calor humano, mais amizade, respeito, carinho, união, apoio e harmonia. Enfim, tudo o que é realmente importante para o ser humano ser verdadeiramente  humano.

Autor: Evaristo Magalhães – Filósofo e Psicanalista

Anúncios

3 comentários sobre “Quando a VIDA era menos ATRIBULADA …

  1. Fernando disse:

    Muito bom Evaristo! Parabéns! Infelizmente não vejo saída. Esse tempo não volta mais. Com as novas tecnologias a tendência é cada vez as pessoas se isolarem mais.

  2. Cleiton Melo disse:

    Que ótimo texto sobre o Sonho. A cultura do fast-food nos tirou esse calor humano, essa consciência das nossas fragilidades e hoje vemos pessoas indiferentes a tudo, principalmente em relação aos relacionamentos afetivos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s