QUANDO SÓ O HUMOR SALVA …

Creio que ninguém – em sã consciência – esteja dando conta de ver – a olhos nus – os tantos absurdos desse desgoverno que está aí.

Precisamos de filtros. Precisamos de humor.

Ninguém pode só ver. A realidade é traumática demais quando vem em carne viva.

Há ao menos uma aberração por detrás de toda depressão e de toda ansiedade.

Sem um mediador, a sensação é a de que vamos explodir.

Não está nada fácil. O fato é que dependendo da gravidade dos acontecimentos, não basta só saber. Dependendo da notícia, é preciso que ela venha entremeada de algum cuidado. Nesse momento, só os humoristas podem fazer isso por nós.

Já que não estamos dando conta de colocar luz suficiente para mudar essa situação, então, que coloquemos, nela, todo o nosso sarcasmo e toda a nossa ironia. Ao menos, estaremos garantindo – minimamente – a nossa sanidade mental.

Está faltando gozo para amortecer toda essa pataquada.

É muita selvageria para não se sentir impactado. Ninguém suporta ver – à cada dia – tanta coisa tosca, grosseira e escroque.

Precisamos de algo parecido com o que fez Carlitos denunciando e fazendo graça das mazelas do capitalismo em Tempos Modernos.

Estamos precisando – com urgência – de trazer chistes e piadas para o meio de toda essa escroqueria.

Não adianta só mostrar, apontar ou escancarar. É preciso apontar algum caminho. Enquanto esse caminho não chega, precisamos – ao menos rir – para suavizar nosso olhar sobre tanta putrefação.

Evaristo Magalhães – Psicanalista

NÃO SE DÊ DEMAIS PARA NINGUÉM …

Em tudo é necessário um certo equilíbrio.

Se for para evitar um dano maior, o máximo que você pode fazer é colocar o dedo na cara de quem te fez o mesmo.

Relação é troca, gentileza e boa educação. Melhor, relação é uma via de mão dupla.

É óbvio que é sempre bom dar um passo à frente. No entanto, se o outro não acompanhou, não dê mais nenhum passo.

Gentileza tem que gerar gentileza.

Portanto, pare de procurar quando é só você que procura. Pare de telefonar quando é só você que telefona. Pare de de fazer declarações de amor quando é só você que fala dos seus sentimentos.

É óbvio que não existe relação se ninguém tomar a iniciativa de procurar, telefonar e dizer de seus sentimentos. Se você fez isso,não se sinta culpado(a). Você não errou. O outro é que foi mal educado por não ter correspondido ou por não ter dito que não queria corresponder.

Podemos não ser amados: é o risco que corremos quando dizemos de nossos sentimentos. Não entanto, não amar é muito diferente de ser desumano, deselegante e mal educado com o outro que nos declarou seu amor.

Observe como seu amor te trata e te responde. É óbvio que as atitudes e as palavras não são as mesmas de um para o outro. Contudo, é possível perceber quem está se dando mais e quem está se dando menos na relação.

Não se dê demais. Também, não se dê de menos. Jogue limpo e seja honesto com o outro. Não dissemine a cultura do mau-caratismo nas relações humanas: uma hora tudo isso pode se voltar contra você!

Evaristo Magalhães – Psicanalista

O QUE É UMA PESSOA BELA?

Bonita é aquela pessoa que não esconde suas verdades.

A verdade não está em quem somos e no que temos.Tudo isso ficará para trás.

Uma pessoa bonita é aquela que consegue ver beleza onde todo mundo só enxerga feiúra.

Seríamos verdadeiramente belos se tomássemos o que menos gostamos – em nós – como sendo nosso.

Somos feios porque mentimos para nós mesmos.

O religiosos são horríveis quando se arrogam eternos.

Bonito é quem dá conta de amar a sua finitude, sua mortalidade, seu desamparo e o fato de que possui um corpo em processo de degradação.

É feia toda pessoa que só enxerga beleza em si.

Belo é aquele que consegue equilibrar as contradições da vida.

Bonito é aquele que não esconde suas verdades por detrás de maquiagens, plásticas e próteses.

Belo é quem se cuida amando o que em si é inevitável.

É lindo ver uma pessoa que se ama grisalha, que enxerga elegância em sua voz lenta, em sua pele marcada pelo tempo e consegue ressignificar seus reflexos em um espaço/tempo que não é mais o da juventude.

Beleza não é negar a verdade de si – mesmo porque isto é impossível. Beleza é carregar a sua verdade e dar conta de descobrir algum sentido nela!

Evaristo Magalhães – Psicanalista

POR QUE A PSICANÁLISE É TÃO ANGUSTIANTE?

A psicanálise quer de nós uma missão quase impossível. Ela quer que nos reconheçamos em nossas palavras e atos. Ou seja, ela quer que nos ocupemos do que mobiliza o fato de que falamos e agimos.

A verdade não está no comportamento. Falamos e agimos para fugir da loucura, da finitude, da mortalidade, do desamparo e do fato de que temos um corpo e de que estamos em um processo de degradação.

Habitamos a mentira quando falamos e agimos. Viramos escravos de uma ilusão que não consegue tamponar as verdades da vida.

Autoconhecimento, para a psicanálise, não é dar nomes, não é contar histórias, falar e agir sobre a vida.

Isto que não reconhecemos, são os fantasmas que nos amedrontam. Quanto mais falamos, mais reavivamos isso que nos atormenta.

Sim, a psicanálise quer nos angustiar. Ela quer nos fazer reconhecer o que em nós é sem palavras para nos libertar do sofrimento que criamos -exatamente – porque falamos.

Evaristo Magalhães – Psicanalista

SOBRE PESSOAS SEM QUALQUER ESTILO …

Estilo não é apenas escolher qual o corte de cabelo ou o penteado que mais combina com você.

Estilo não é apenas ter um modo próprio de vestir, falar, andar ou decorar a casa.

Estilo assim, é fácil.

Quero ver ter estilo na perda de um grande amor. Não é estilo ligar dezenas de vezes, ir atrás, chantagear e se humilhar.

Quero ver ter estilo ao envelhecer. Não é estilo se entupir de cirurgias plásticas, próteses, botox e preenchimento facial.

Quero ver ter estilo diante de um debate sobre a realidade política e econômica do Brasil atual. Não é estilo defender que político é tudo igual e que o Brasil não tem jeito mesmo.

Quero ver ter estilo musical. Não é estilo dizer que é eclético e igualar Chico Buarque aos sertanejos universitários.

Quero ver ter estilo na hora da morte. Não é estilo entrar em pânico, desesperar, revoltar ou enlouquecer.

Quero ver ter estilo intelectual. Não é ter estilo virar papagaio de filósofos, cientistas, padres, pastores e professores.

Quero ver ter estilo emocional. Não é ter estilo repetir receitinhas de falsos gurus, de livros de autoajuda e de psicologias de jornaleiro.

É a existência que requer um estilo. No entanto, estilo existencial não se compra porque a existir é de cada um. Você já descobriu o seu?

Evaristo Magalhães – Psicanalista

POR QUE TENHO PREGUIÇA DE CERTOS PSICANALISTAS?

Psicanalista não é um decifrador de enigmas. Não é com explicações de quem quer que seja que chegaremos às causas de nossas angústias.

É enganação qualquer tratamento psicanalítico em que o profissional desembesta a falar sobre a fala do paciente.

Nossas questões não são da ordem da palavra. Se assim fosse, ninguém mais sofreria. Sobram livros de psicanálise tentando nos dizer os motivos de nossas dores existenciais.

Psicanálise não é fazer troca-troca de conhecimento.

Quem disse que os psicanalistas sabem mais de mim que eu mesmo?!

Nem o papa sabe sobre ele mesmo. Ninguém sabe sobre si. Não somos da ordem do saber.

Podemos relatar acontecimentos, explicar fatos, contar histórias, falar mal de nossos pais e detonar com nossos amores, que nada disso aliviará nossas angústias, depressões e ansiedades.

Quem somos está depois de todas as palavras, livros, teorias e doutrinas. Podemos tagarelar até à exaustão que isto nunca sairá de nós.

Um bom psicanalista é aquele que nos joga nesse lugar que nenhuma palavra chega. O que faremos aí? É de cada um. É certo que o que faremos será – ao menos – algo genuinamente nosso.

Evaristo Magalhães – Psicanalista