MINHA VERDADE…

onde

sou

mais

feminino

Evaristo Magalhães – Psicanalista

Anúncios

NADA PIOR QUE UM POLÍTICO IDIOTA …

O poder exige inteligência. Poder é movimento. Execução. Gestão.Tudo está interligado. Há muitas variáveis. Muitos desdobramentos. Muitas consequências. É preciso ser muito astuto para não atirar no próprio pé. Quanto mais ignorante for a ação, pior será a reação. Quanto menos inteligência, mais exposição ao ridículo. Mais desgaste. Quanto pior a repercussão, menor a credibilidade. Quanto maior a inteligência, maior o acerto. Inteligência é cálculo. Política é ciência política. Quando o erro não é tão grotesco, a reação quase sempre não soa como oposição. Toda inteligência tem o seu perdão uma vez que ninguém sabe tudo. No entanto, ninguém perdoa quem quase nada sabe quando diz saber ou quando deveria saber. É profícuo quando o erro leva ao debate. Quem discorda quer contribuir com o que faltou na inteligência alheia.O problema é quando a estupidez descamba para o cômico. Aí não tem jeito. É só uma questão de tempo. Ninguém se sustenta por muito tempo no ridículo. A questão é quando um governo já começa no ridículo. Evaristo Magalhães – Psicanalista

NÃO É O TER QUE MAIS IMPORTA…

Todo mundo só quer ter. Ninguém quer saber sobre o sentido de ter.
Se nos perguntássemos pelo sentido de ter, não seríamos tão egoístas e tão possessivos como somos.
A escola não ensina sobre o sentido do ter. A religião, também não. A ciência, menos ainda. Muito pelo contrário, os estudantes só querem saber das profissões mais rentáveis. Fala-se em inauguração de Templos no Brasil. A ciência parece cem por cento cooptada pelo mercado.
Não é o ter puro e simples que mais importa. Sem o sentido do ter a humanidade estará em risco.
Parece que todos querem neutralizar o sentido do ter acumulando cada vez mais poder e riqueza. O sentido do ter é invencível.
Importa só o ter. É como se estivéssemos correndo atrás de um objeto completamente vazio achando que ele é a coisa mais consistente da vida. Todos estão correndo atrás de invólucros.
É o sentido do ter que faz tudo escapulir das nossas mãos. Como não aceitamos perder, logo corremos atrás de outro objeto como substituto. Perderemos – também – este objeto. Aliás, deixaremos para trás tudo o que acumularmos.
Mais importante que as coisas, é o sentido das coisas. Se soubéssemos o verdadeiro sentido dos bens materiais, não encheríamos tanto os olhos para as coisas deste mundo.
Não é a matéria que mais importa. Ela passa. É o sentido da matéria que fica. E qual é o sentido da matéria? O sentido da matéria, é que ela não tem o menor sentido. Pena que muitos só se darão conta disso tarde demais.
Evaristomagalhaespsicanalista